Exposição Gênese Sertaneja: A Interconexão Cultural do Museu Regional de Arte e Museu Casa do Sertão

 DSC_0966 1

Fotografia : Hortência Sant’Ana

Exposição Gênese Sertaneja:

A Interconexão Cultural do Museu Regional de Arte e Museu Casa do Sertão

Acontece no Centro Universitário de Cultura e Arte – CUCA, dia 23 de março, abertura da Exposição Gênese Sertaneja: A Interconexão Cultural do Museu Regional de Arte e Museu Casa do Sertão / UEFS, unindo num só espaço, sensibilidade e subjetividade artística com a realidade sociocultural sertaneja, em especial, aspectos do cotidiano e elementos do ofício do vaqueiro. Representam-se na articulação dos acervos de mobiliário; ornamentos; instrumentos; indumentária; pinturas; esculturas e fotografias; registros estéticos da sociedade e da Cultura Nordestina.

A mostra que remonta origens institucionais do Museu Regional de Arte – MRA (fundado há 51 anos como o primeiro museu do interior do estado) apresenta parte do acervo do Museu Casa do Sertão – MCS (que em 2018 completa 40 anos de existência). Simboliza ainda, o inicio de uma nova etapa para atuação conjunta dos Museus Universitários, ao antecipar o papel pedagógico e colaborativo da Rede de Museus UEFS. Segue-se uma tendência de atuação referendada no campo museal pelo Conselho internacional de Museus (ICOM) e pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) de fomento, articulação e visibilidade a acervos e públicos.

Destacam-se na exposição: o painel “Vaquejada” autoria de Juraci Dórea, elaborado e doado em dois momentos (quando da inauguração do Museu Casa do Sertão 1978 e em 2018 reelaborado em suporte de tela); a Xilogravura “Pilão de Milho” do poeta e cordelista Franklin Maxado, ex-diretor do MRA e do MCS; Audiovisuais; e pinturas como “O Cangaceiro” de Aldemir Martins e “Pastoral” de Floriano Teixeira, datadas da década de 1960.

Paralelo à mostra, ainda é possível interagir com uma intervenção do artista Luiz Natividade denominada NATI-XILO. Nela a atenção do visitante é arrebatada pela instalação de mais de 100 xilogravuras, dispostas subversivamente nas paredes do museu, reacendendo discussões sobre binômios como arte-artesanato, cultura popular e erudita, através da Xilogravura e do Cordel. O artista é natural de Junqueiro, em Alagoas, e se estabeleceu na Bahia. Cursou Artes Plásticas na Escola de Belas Artes/UFBA, sem relegar suas raízes. Agitador cultural desenvolve o Projeto de Xilogravura em que são ministrados cursos, palestras, exposições e oficinas.

Na abertura serão realizados experimentos com o público presente.

Fica o convite a interagir no/com o sertão.

AGENDAMENTO ESCOLAR ESPECIAL

Vernissage
23 de Março 2018 ás 15:00 h.
Exposição
23 de Fevereiro á 10 de junho de 2018
Visitação: segunda a sexta 8:00 h às 12:00 h; 14:00 h às 18:00 h.
Endereço: R. Conselheiro Franco 66, Centro, Feira de Santana – BA.

mra.cuca@uefs.br

Veja abaixo algumas fotos dos bastidores:

Fotografia: Hortência Sant’Ana